1.30.2012

coincidencias !! ou nao???

A bala que encontrou sua vítima depois de 20 anos
O ano era 1883, e Henry Ziegland tinha acabado de despedaçar o coração de sua namorada.
Desesperada por perder seu amor, a jovem se sentiu iludida e usada, e acabou cometendo suicídio.
O irmão da moça em uma crise de ódio, resolveu vingar-se. Procurou Ziegland e o atacou, atirando nele em seguida. Acreditando ter matado o ex-cunhado, ficou desesperado ao imaginar que a pena para o assassinato na época, seria a forca e a total desonra da família, então, em uma atitude impensada, se matou, atirando na própria cabeça.
Mas Ziegland não havia morrido com o tiro. A bala milagrosamente havia transpassado a sua bochecha e encravado em uma árvore.
Após o episódio, Ziegland começou a se sentir mal por ter causado tamanha desgraça.
A árvore era enorme, e por mais que ele tentasse evitá-la, ela estava lá, nos fundos da casa, importunando-lhe as memórias. Querendo acabar de uma vez por todas com o seu sofrimento, resolveu acabar com a árvore, que lhe causava tanto mal.
Os rapazes instalaram a dinamite ao longo de uma volta do tronco da pesada árvore. Desenrolaram o pavio e ficaram a uma distância segura. Ziegland deu uma última olhada para a árvore e fez sinal positivo para que os rapazes acionassem o detonator.
A enorme árvore tombou, e ele também tombou, com um enorme buraco na testa!
Ao explodir a árvore, o projétil de 20 anos que havia atravessado a sua bochecha e se alojado no tronco, foi novamente disparado.  Desta vez atingindo em cheio seu destino, embora com alguns anos de atraso!

O bebê que caiu da janela
Em Detroit, nos anos 30, Figlock estava andando tranquilamente pela sua vizinhança, quando um objeto o atinge violentamente. Em um gesto totalmente de susto, ele segura o objeto, que para sua surpresa era um bebê. Ele olhou para cima e viu uma mãe gritando desesperada. Sem entender direito, ficou surpreendido com o que havia acabado de acontecer. Ele teria salvado a vida de um pobre neném.
O homem saiu nos jornais, e foi saldado por onde passava como um herói.
Mas a parte realmente surpreendente da história, vem agora:
Um ano depois, Figlock estava novamente caminhando pela sua vizinhança. Quando passava pelo mesmo lugar, o mesmo bebê que caiu da janela o acertou. Desta vez, Figlock desabou no chão, mas ambos sobreviveram.

O Homem atingido por um raio 7 vezes


Roy Cleveland Sullivan, foi um guarda florestal nos Estados Unidos, em Shenandoah National Park, Virgínia. Em 1942 e 1977, foi atingido por um raio em sete ocasiões, e sobreviveu a todas elas. Em 21 de setembro de 1983, aos 73 anos, cometeu suicídio, provavelmente por causa de uma decepção amorosa.


Mais um homem atingido por raios

Um oficial da cavalaria britânica que combatia no último ano da Primeira Guerra Mundial foi derrubado de seu cavalo quando um raio vindo do céu o atingiu. Ele acabou ficando paralizado da cintura para baixo. O homem mudou-se anos depois para a cidade de Vancouver, Canada, onde, seis anos depois, enquanto pescava calmamente em um rio tomou um outro cario na cabeça, que o deixou novamente paralizado. O homem quase morreu com o raio, que acabou deixando como seqüela, a paralisia de seu lado esquerdo. Dois anos de sofrimento e fisioterapia depois, o homem já estava bem recuperado, e conseguia andar com a ajuda de uma bengala. Um dia ele foi dar um passeio num parque próximo a sua casa quando… Isso mesmo, tomou outro raio, que desta vez o deixou completamente paralisado, morrendo dias depois.
Quatro anos mais tarde, um novo raio destruiu sua sepultura!

O Sortudo
Um homem ganha na raspadinha americana, um prêmio milionário. Todos querem saber como ele tem tanta sorte. Até que um canal de Tv local resolve documentar a história e solicita ao falizardo que faça uma reconstituição dos fatos de seu dia até ganhar na loto. Ele topa e usando a mesma roupa do dia em que ganhou, pega seu carro vai ao trabalho, sai do trabalho e vai até uma loja de conveniências num posto de gasolina local. A câmera vai filmando enquanto ele repete cada passo. Ele compra um cigarro e com o troco pede um bilhete da loteria. A mesma moça retira um bilhete e ele finge raspar no mesmo balcão. Então, tem um troço na frente das câmeras. ELE GANHOU NOVAMENTE!

Meninos gêmeos e vidas gêmeas.

Separados no nascimento por circunstâncias cruéis da vida, eles foram adotados por famílias diferentes. Sem conhecer uma a outra, as duas famílias deram o mesmo nome aos meninos: James.
Ambos cresceram sem saber da existência um do outro, e ambos também alistaram-se no treinamento da polícia comunitária de suas cidades. Os dois tinham habilidades de desenho mecânico e carpintaria e ambos casaram com uma mulher com o mesmo nome: Linda.
Os irmãos James tiveram filhos meninos e acredite, ambos deram o MESMO NOME para os meninos. James batizou seu filho de James Alan, e o seu irmão deu o nome de James Allan ao seu respectivo filho.
Então as coisas começaram a ir mal no casamento e os irmãos James divorciaram-se de suas respectivas mulheres chamadas Linda na mesma época, e casaram-se novamente um tempo depois. Acredite ou não, a nova mulher que ambos arrumaram tinha também o mesmo nome: Betty.
Os dois James compraram respectivamente dois cachorros e chamaram-no com o mesmo nome: Toy. Quarenta anos após a separação dos irmãos, ambos encontraram-se e surpreenderam-se por terem construído vidas exatamente iguais.



A vida imita a Arte

No século 19, o famoso escritor de histórias assutadoras, Edgar Allan Poe escreveu um livro chamado “A narrativa de Arthur Gordon Pym”.
O texto narrava a história de quatro sobreviventes de um naufrágio que estavam num barco à deriva por vários dias, até que no auge da fome e do desespero, resolvem matar e comer um jovem marinheiro chamado Richard Parker.
Alguns anos mais tarde, em 1884, o pequeno veleiro Migonette foi encontrado à deriva com apenas quatro sobreviventes, que estiveram no pequeno barco aberto durante muitos dias.
Após acabarem os suprimentos e deseperados os homens fizeram um pacto e decidiram comer um jovem marinheiro. Seu nome? Richard Parker!

Paradoxos da viagem no tempo

[OFF]Os 12 Paradoxos da viagem no tempo
1) Paradoxo do Avô: Certamente o mais famoso paradoxo temporal. Suponha um viajante do tempo voltando ao passado para matar seu próprio avô quando este ainda é uma criança, desta forma o pai do viajante não nasceria, tão pouco o viajante. Mas, o que aconteceria ao viajante? Deixaria de existir? E as leis de conservação de massa/energia, seriam violadas?

2) Paradoxo da Acumulação: Imaginemos que alguém volte a um determinado ponto do passado onde, originalmente, ele esteve. Encontraria sua própria cópia (ou melhor, seu original – ou será cópia?). Se voltasse a esse ponto da história outras vezes, veria várias cópias de si.

3) Paradoxo do Deslocamento em Trânsito: Viajantes do tempo levam consigo seu próprio tempo – o presente do modo exato que estava no momento de sua viagem – e não podem ser afetados por alterações ocorridas depois de sua partida. Sofrerão os efeitos dessas alterações quando voltarem ao seu tempo presente, agora modificado.

4) Paradoxo da Descontinuidade: Quando um viajante do tempo encontra no passado um conhecido que partiu de um ponto do futuro diferente do dele. Essa pessoa pode não reconhecer o viajante, pois no presente eles ainda não se encontraram.

5) Paradoxo Final: Criado por um viajante do tempo que muda a História de modo que viagem no tempo nunca seja inventada.

6) Lei dos Paradoxos Menores: Se dois paradoxos mutuamente exclusivos podem ocorrer simultaneamente, acontecerá primeiro o menos paradoxal.

7) Paradoxo da História Retroativa: Quando pessoas do futuro, que não haviam nascido na época de acontecimentos já ocorridos e historicamente registrados, acabarem tornando-se protagonistas desses mesmos eventos.

8 ) Paradoxo dos Loops de Informação: Acontece quando uma informação é enviada do futuro para o passado de modo a se tornar a fonte inicial da mesma informação tal como existia no futuro.
9) Paradoxo dos Loops Sexuais: Acontece quando um viajante do tempo volta ao passado para fazer sexo com um ancestral e se tornar um ancestral de si mesmo.

10) Paradoxo da Fraude: Quando alguma ação no passado, causada por um viajante do tempo vindo do futuro, afeta a linha do tempo, e depois a versão passada do mesmo viajante decide não realizar a citada ação quando alcança aquele mesmo momento do futuro.

11) Paradoxo das Linhas de Tempo Alternativas: Segundo esse paradoxo, o passado não pode ser modificado, e qualquer tentativa de mudá-lo causará a criação de uma linha de tempo alternativa, de existência paralela à linha de tempo original a partir do ponto de mudança. A mera chegada do viajante no passado já causaria sua mudança.

12) Paradoxo da Causa e Efeito: Se alguém viaja para o passado no objetivo de alterar um evento para mudar o presente, assim que o fizesse o motivo pelo qual se viajou deixaria de existir, e consequentemente a viagem também. Neste paradoxo está baseado o filme “A Máquina do Tempo”.

FONTE: http://professorjc.blogspot.com/2008…paradoxos.html

BÔNUS

É POSSÍVEL VIAJAR NO TEMPO?


Este é um dos assuntos que mais incomodam os físicos, principalmente pelo fato de sabermos pouco sobre o comportamento do tempo. Seria possível a viagem no tempo? A resposta assombra, mas felizmente (ou infelizmente) é sim! Viajar no tempo é possível de acordo com as teorias adotadas atualmente. Para o futuro é simples questão de velocidade. Se você se locomover próximo a velocidade da luz o tempo “passa” mais lento para você, comparada as demais pessoas que estão em uma velocidade muito reduzida em relação a sua. Mas é para o passado , seria possível?
Segundo nosso amigo bigodudo e descabelado sim! A teoria geral da relatividade de Einstein não só permite que máquinas do tempo existam como “está completamente infestada com elas”, diz o físico Matt Visser, da Universidade Victoria, em Wellington, Nova Zelândia. Visser compilou uma pequena lista de oportunidades de viagens no tempo que surgiram desde que Einstein nos mostrou como gerar uma curvatura no contínuo espaço-temporal. Cada uma delas ameaça a lógica da relação de causa e efeito que serve como fundação à própria física. Juntas, são uma galeria de renegados que faz com que todo físico anseie por uma solução definitiva para o problema das viagens no tempo.

1. O Universo de Gödel


A solução clássica do matemático Kurt Gödel para as equações de Einstein descreve um Universo que gira rapidamente para resistir à contração imposta pela gravidade. Um dos efeitos colaterais de viver em um Universo como esse é que a luz viajaria em curvas, em lugar de linhas retas. Um viajante poderia chegar antes da luz a um determinado ponto, adotando uma trajetória mais curta e, depois de uma jornada longa o suficiente, voltar ao ponto de partida antes mesmo de ter saído.

2. Espaço-temporal de Van Stockum

Esse grupo contém uma família de cenários para máquinas do tempo que se relacionam pelo seu uso de um cilindro denso e em rápida rotação ou, alternativamente, uma corda cósmica rotativa -um longo feixe de matéria de alta densidade remanescente dos primórdios do Universo. A rotação distorce o contínuo espaço-temporal de maneira que um viajante girando em torno do cilindro ou corda seja capaz de seguir uma curva fechada de caráter temporal e voltar ao passado. A dimensão do recuo dependeria do número de giros.
3. Buracos negros de Kerr


O tipo mais simples de buraco negro dispõe de uma singularidade de densidade infinita, em seu centro. Os buracos negros Kerr são rotativos, o que distende essa singularidade e a faz adotar um formato de anel. Passando por esse anel da maneira correta, seria possível viajar em direção ao passado. O problema é que não existe maneira de escapar ao buraco negro. Um equivalente pentadimensional, o buraco negro BMPV, permite curvas fechadas de caráter temporal do lado de fora das fronteiras do buraco negro, caso sua rotação seja veloz o bastante.

4. A máquina do tempo de Gott

Richard Gott, da Universidade de Princeton, sugeriu tomar duas cordas cósmicas paralelas e fazer com que voem uma em direção à outra, em alta velocidade, sem se chocar. Os viajantes que passassem em torno das duas cordas quando estas estivessem próximas o bastante poderiam se ver de volta ao ponto inicial de sua jornada.

5. Espuma espaço-temporal

Os físicos predisseram que na menor escala possível, cerca de 10-35 metros, a regularidade lisa do contínuo espaço-temporal einsteniano se rompe em uma massa borbulhante de irregularidades topológicas. Nessa micro-escala, viajar para frente e para trás no tempo seria como galgar e despencar com as ondas de um mar tempestuoso.

6. Os wormholes de Morris-Thorne

No começo da década de 90, Michael Morris, da Universidade de Minnesota, e Kip Thorne, do Instituto deTecnologia da Califórnia (Caltech), postularam que um wormhole -um túnel pelo contínuo espaço-temporal- pode ser transformado em uma máquina do tempo se uma das pontas do wormhole for girada em velocidade elevada e a seguir os dois extremos forem aproximados de novo. Ao passar pelo wormhole e voltar à entrada pelo espaço normal, um viajante poderia reviver o passado. Um problema quanto a esse método é que matéria exótica (dotada de energia negativa) é necessária para manter o wormhole aberto.
7. Propulsão de dobra de Alcubierre
Dobras espaciais permitiriam obter um efeito semelhante ao dos wormholes. O físico Miguel Alcubierre, da Universidade de Gales, foi o primeiro a conceber esse tipo de máquina do tempo, em 1994, enquanto investigava a plausibilidade de um motor de dobra espacial ao estilo de “Jornada nas Estrelas”. Em lugar de um túnel, o espaço existe dobrado, e uma passagem em forma de fenda pode ser criada para permitir viagens à velocidade superior à da luz entre dois pontos. Um dos efeitos colaterais é que o motor de dobra funciona também como máquina do tempo.
Essa proposta implica em algo muito maior: Supondo que a humanidade consiga esse feito, toda a sua História teria que ser revista. Em quantos pontos desse percurso houve a interferência desses “homens do futuro” no caminho percorrido por nós , “homens pré-maquina do tempo”? Ia ser uma confusão, que é preferível que ninguém invente. Existe teorias que dizem existir uma espécie de força de proteção cronológica que impede qualquer alteração da linha do tempo. Uma defensora dessa idéia é o paradoxo do avô. A verdade é que para haver tal alteração seria preciso a existência de “realidades paralelas” . Entre tantas duvidas, só existe uma certeza: uma coisa assim em mãos erradas poderia fazer um estrago enorme ou mesmo acabar com a nossa civilização.

1.26.2012

lepra Tatus passar a lepra para os seres humanos

 Tatus passar a lepra para os seres humanos, diz estudo
Há muito tempo se acreditava que a doença foi transmitida apenas entre humanos. A nova descoberta pode explicar a origem da doença para aqueles em que os EUA não sabem onde pegou.

 A preponderância de evidências mostra que as pessoas têm lepra destes animais", disse Richard W. Truman, diretor de microbiologia do Programa Nacional de Doenças Hansen em Baton Rouge e autor de um artigo sobre a descoberta no New England Journal of Medicine. Até agora, os cientistas acreditavam que a lepra era passado somente de humano para humano. Todos os anos, cerca de 100 a 150 pessoas em os EUA são diagnosticadas com a doença, que é também conhecida como doença de Hansen. Embora muitos tenham viajado para países onde a doença é relativamente comum, como muitos como um terceiro não sei onde pegou. A maioria dos casos são no Texas e Louisiana, onde a hanseníase infectados tatus ao vivo também. Agora, Truman disse , "nós somos capazes de fornecer um link." A hanseníase é causada pela bactéria Mycobacterium leprae , um primo do micróbio que causa a tuberculose. Pessoas com hanseníase desenvolver lesões de pele; casos graves, pode causar danos nos nervos ou deformação nos membros. Ao longo dos anos, M. leprae tem provado difícil de estudo, a migração de todo o mundo difícil de traçar, para uma variedade de razões. A bactéria não pode ser cultivado em laboratório. Lepra tem um período de incubação anos de duração e se propaga lentamente. É difícil contrato - apenas 5% dos seres humanos são suscetíveis, e mesmo eles geralmente precisam ter um contato próximo e repetido com M. leprae para desenvolver uma infecção. No passado, pessoas com hanseníase foram confinados em colônias de leprosos. Hoje, é tratável com uma combinação de três antibióticos, disse o Dr. James Krahenbuhl, diretor do Programa Nacional de Doenças Hansen. Cerca de 3.600 pessoas em os EUA têm a doença, acrescentou, e eles não devem morrer com ele. "Este é um covarde de um organismo", disse Truman. Truman e colegas de trabalho estavam imaginando por algum tempo se a pequenos mamífero pode estar transmitindo a hanseníase. Durante anos os cientistas sabiam que outras que os seres humanos, tatus são os únicos hospedeiros naturais conhecidas por M. leprae no mundo. Os animais ficam doentes M. leprae infecções como as pessoas fazem, e, eventualmente, morrem de danos nos rins e fígado. Mas ao contrário dos humanos, eles são mais susceptíveis de contrair a bug: Em algumas partes do Sul, mais de 20% dos tatus têm a infecção. Confirmando que os animais podem transmitir a doença para as pessoas exigia uma análise genética sofisticada. Ele também dependia de uma riqueza de dados acumulados ao longo da última década sobre as semelhanças e diferenças entre os genes da M. leprae bactérias coletadas em todo o mundo. cientistas já havia determinado que a lepra se originou no leste da África ou do Oriente Próximo, seguido as migrações humanas para a Europa e, nos últimos 500 anos, mudou-se para oeste da África e das Américas. Partindo desse trabalho anterior, Truman e sua equipe coletaram amostras de 50 pacientes com hanseníase e 33 tatus selvagens em os EUA, então usados ​​dois tipos de análise para olhar sites na M. leprae genoma que são conhecidos por variar entre os mamíferos. Uma análise, conhecida como "digitando SNP", examina as mudanças simples na seqüência de letras químicas que compõem o DNA. A equipe encontrou sete padrões diferentes SNP em suas amostras, mas uma - chamado 3I - era abundante, transformando-se em todos os tatus e em 26 dos 29 pacientes sem história de residência no estrangeiro. Os cientistas usaram um segundo método, conhecido como análise de VNTR, para classificar os seus M. leprae amostras. Esta técnica, que olha para os lugares no DNA, onde a ordem das letras químicas carrega repete pequeno, também revelou grande semelhança entre os tatus e os pacientes. Colocando as duas análises em conjunto, os cientistas relataram que 28 dos animais e 25 dos pacientes que viveram perto tatus compartilhado um genótipo chamado 3I-2-v1. Este genótipo "parece ser a única e altamente distintivo", escreveu a equipe. Não foi registrado nenhum outro lugar do mundo. Os cientistas concluíram que os dados fortemente implicada tatus como fonte de infecção humana. "Isto é bom, forte evidência genética", disse D. Varalakshmi Vissa, professor associado de microbiologia, imunologia e patologia na Colorado State University, que usa ferramentas genéticas para o estudo da lepra. Ela não estava envolvido na pesquisa. Vissa observou que, embora a descoberta não teria significado para as áreas do mundo onde a hanseníase é um grave problema de saúde, como a Índia ou a China - onde não há tatus - é significativo para o combate a hanseníase em os EUA Sabendo que as pessoas podem obter a lepra de tatus também pode ajudar os médicos a diagnosticar a doença mais rapidamente. Truman acrescentou que pode ajudar a convencer as pessoas que vivem perto de tatus - seu alcance estende-se do Texas para o Carolinas - para evitar o contato com os animais. Isso significa abster-se de tocar, de brincar com e - sim - de comer os bichos, que são festejados em festivais de tatu, aplaudidos nas corridas de tatu e perseguido durante a caça de tatu. "Isso não significa que as pessoas precisam fugir de tatus o caminho eles fazem uma cascavel, mas as pessoas precisam ter cuidado ", disse o Dr. Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos Institutos Nacionais da Saúde, que ajudou a financiar a pesquisa. "Você atira um tatu e tentar a pele - que é a pior coisa que poderia fazer." eryn.brown @ latimes.com

 http://www.latimes.com/health/la-he-leprosy-armadillos-20110428,0,7639041.story



Animadores na Grã-Bretanha decidiu abandonar uma cena que fez a luz da hanseníase a partir de um próximo filme, "The Pirates! Band of Misfits",  depois de grupos de apoio a lepra reclamou. A hanseníase ainda é um problema sério em muitas partes do mundo, incluindo o Brasil e Sudão, como este mapa do mundo mostra Organização Mundial de Saúde:

Morgellons doença

A Doença de Morgellons… Não se engane, essa é uma doença feita 100% pelo homem, com recursos nanotecnológicos, quimicos, científicos, físicos, e, já comprovadamente, aspergida pelos Chemtrails (pesquise isso!) …e tudo parte de um plano… ah sim, a grande massa não saber também faz parte do jogo…
informe-se!
“Morgellons Disease” (Doença de Morgellons) é uma doença que provoca rupturas na pele pela erupção de fibras multicoloridas absolutamente desconhecidas (aparentemente constituídas de celulose contendo minerais como alumina e calcita, mas de DNA desconhecido) com desfiguração e infecções secundárias, especialmente em crianças e idosos, designada “Morgellons disease”, se espalhou por todos os 50 estados dos EUA nos últimos 10 anos, concomitantemente à expansão dos transgênicos. Já há casos diagnosticados em países da Europa, América Latina e África, no Japão, Filipinas, Indonésia e Austrália.
O problema se agravou a ponto de ser instituída uma pesquisa oficial do “Center for Disease Control” (CDC – USA) para determinar as causas dessa síndrome. Há suspeitas científicas de que é causada por Agrobacterium tumefasciens, o organismo mais
-São fibras um pouco elásticas e peganhentas -Algumas parecem-se com teias de aranha, mas não o são.
-São fibras um pouco elásticas e peganhentas -Algumas parecem-se com teias de aranha, mas não o são.
alterado e trabalhado pela engenharia genética, que “ensinou” ao homem essa pseudotecnologia e fornece as Ti-Plasmids (Ti = Tumor Inducing, que produzem tumores nas raízes), estruturas de transferência de material genético que são usadas para carregar e inserir os transgenes.

Como os Agrobacteria são muito promíscuas na aquisição de ácidos nucleicos e estão presentes em todos os solos do mundo, é provável que tenham incorporado genes de virulência para humanos, por exemplo, dos “promotores virais” usados na montagem de transgenes e seus mutantes, que continuamente se desprendem dos milhões de toneladas de resíduos transgênicos que se decompõem pelos campos cultivados, espalhando-se pelo ambiente. Isso, sendo verdade, preocupa pesquisadores devido aos programas de vacinas anti-gripais (H1N1, Influenza, etc) pelo poder de aumentar o aparecimento do Morgellons.


Se essas suspeitas forem confirmadas, fica em aberto a possibilidade de que a “Morgellons disease” seja apenas a “ponta do iceberg” de inúmeras doenças novas, mas sem sintomas tão visíveis, que podem estar sendo geradas pela contaminação transgênica do ambiente e alimentos, pois os trangenes perduram nas micelas de argila do solo, na água e no trato digestivo de animais – onde podem ser absorvidos por inúmeros micróbios benéficos ou inóquos à saúde até o momento. Outra possibiliade seria devido à fumegação dos Chemtrails, que talvez estivessem despejando essas químicas e biologias estranhas sobre nossas cabeças, água e terrenos de plantios…


http://www.youtube.com/watch?v=VrmrvpIwR3E

http://www.youtube.com/watch?v=Ba-chPZA7UI

http://www.youtube.com/watch?v=NKW0bCcfvPE
Mais fontes:
http://www.jusbrasil.com.br/politica/2289303/morgellons-disease-nova-ameaca-dos-transgenicos
http://www.morgellons-disease-research.com/
http://www.morgellons.org/suny.htm
http://inspetra.wordpress.com/2009/09/11/a-doenca-de-morgellons/
http://marcosarosio.blogspot.com/2009/06/doenca-de-morgellons.html
http://raivaescondida.wordpress.com/2008/12/28/rebus-scie-chimiche-legendado/
http://sol.sapo.pt/blogs/humana/archive/2008/03/07/ELES-EXISTEM-_2100_.aspx
http://en.wikipedia.org/wiki/.Morgellons

1.20.2012

por traz dos OVNI's

por traz dos OVNI's

Após diversas pesquisas, podemos afirmar que o formato tradicional do disco voador (circular ou oval, arredondado em geral) já se encontra ultrapassado. Os laboratórios militares vêm utilizando um sistema anti-gravitacional chamado Magnetic Flux Field Disruptor (MFD). Basicamente, consiste de uma cápsula de 1m de diâmetro circular, com mercúrio e bário pressurizados a cerca de 70.000 bars e uma potente bobina de Tesla construída ao redor da cápsula, alimentada por um sistema elétrico nuclear gerando pulsos de milhares de ampéres. De acordo com a circulação do pulso elétrico da bobina, a cápsula metálica e a mistura de metais líquidos em seu interior, passam a girar em uma velocidade incrível, produzindo assim, uma distorção eletromagnética ao seu redor - sintonizada na freqüência inversa da gravidade da Terra, seguindo uma lei de Einstein: todo objeto que gira, distorce a gravidade ao seu redor. Este sistema foi criado no laboratório Lawrence Livermore nos EUA, onde são efetuadas experiências com produção controlada de buracos-negros, anti-matéria, wormholes (buracos de minhoca, chamados “atalhos”no tempo) e distorção do espaço/tempo. O advento do MFD criou uma nova concepção para a criação de aeronaves, porque a partir do momento em que não existe mais gravidade ao redor, elimina-se a necessidade da aerodinâmica que, sempre foi um fator limitador para que aeronaves rompam além da tradicional estrutura típica dos aviões atuais. Assim, além de passar a possuir a capacidade de “deslizar na atmosfera”, passa-se a produzir velocidades impensáveis e manobras até então impossíveis.
Os discos voadores norte-americanos criados nos anos 50 e 60 como o Avro Car VZ9 e o FLITAFF eram perfeitamente discóides, porém estavam presos à propulsão convencional a jato, através de rotores turbo propulsados que aspiravam o ar de cima para baixo em alta velocidade, criando o chamado “efeito Coanda”, que nada mais é que um efeito físico-dinâmico. O MFD extrapola todas as regras presentes em manobras na atmosfera terrestre e na física convencional. Seu uso prático foi marcado pela curiosa aeronave TR3-B , de formato triangular equipada com um motor central e 3 motores secundários, localizados em cada vértice do triângulo. Durante o funcionamento, devido ao aquecimento e as emissões infra-vermelho, ocorre um processo de luminosidade nas suas pontas, ficando ele parecido com uma nave de ficção científica. Os novos discos voadores baseados na tecnologia MFD seguem a linha de construção em formato triangular, escolhido pelos projetistas por distribuir melhor o fluxo eletromagnético ao redor da fuselagem. Esta propriedade vai acabar de vez com o formato discóide, muito voga nas últimas décadas, mostrando que o “disco voador do futuro” é triangular.
OVNIs nazismo, ou em alemão Haunebu, ou ainda Reichsflugscheiben, são aviões avançados ou até mesmo naves espaciais que supostamente foram desenvolvidos pelo III Reich. Essas tecnologias não aparecem apenas na ficção, mas também em vários textos históricos revisionistas. Costumam aparecer em conexão com o misticismo nazi, uma ideología que supõe a possibilidade do ressurgimento do nazismo por meios sobrenaturais ou paranormais. No fim dos anos 40, a equipe do Projeto Sign, da força aérea americana considerou seriamente a possibilidade de que os OVNI's poderiam ter sido aviões fabricados secretamente pela URSS baseados em projetos dos Irmãos Horten.

1.19.2012

comida japonesa em gueixas

Restaurante serve comida japonesa em gueixas

O restaurante do Sheng Hotel,no Japão,inaugurou mais um "corpo feminino Sheng",onde algumas gueixas servem de base para alguns aperitivos.
A gueixa deve primeiro ser uma virgem,com belas curvas,e razoavelmente alta de modo que caibam vairos tipos de petiscos em seu corpo.

Depois de um rigoroso processo de "purificação",elas vão para o meio da sala em uma mesa de jantar e se deitam em posição graciosa.
Quanto mais parada a gueixa ficar melhor,pois segundo o restaurante,isso remete a mulher ser um objeto e os clientes se sentem mais à vontade.
Uma chefe de cozinha diz: "A gueixa está ali como uma modelo,é uma busca da arte elegante apesar de nu,há diferenças essenciais com as prostitutas.."
A prática só existe em restaurantes de hotéis luxuosos,em Tóquio,Kyoto e Osaka.Dependendo da gueixa,ela pode receber até ¥ 15.000.000 ienes,porém algumas pessoas de família não aprovam essa situação.

1.18.2012

Sons estranhos no céu assustam pessoas

Sons estranhos no céu assustam pessoas
[Viral?] Sons estranhos no céu assustam pessoas
Barulhos estranhos no céu assustam pessoas de todo o mundo

http://youtu.be/gtLNmdZTf_g

Sons muito peculiares e de procedência desconhecida estão sendo ouvidos em várias partes do mundo nos últimos dias. Vídeos hospedados no YouTube mostram diversas versões desse som (inclusive aqui no Brasil) e que, se forem reais, são mesmo assustadores.

Uma das primeiras ocorrência desses sons ocorreu na Ucrânia, em meados de 2011. Durante a tarde, um barulho muito estranho poderia ser ouvido de diversos pontos de Kiev, sem ninguém saber confirmar qual a procedência. Outras demonstrações do fenômeno podem ser ouvidas em vídeos gravados na Bielorrússia, nos Estados Unidos, na Malásia, Dinamarca, entre outros.

Os sons normalmente são metálicos e trazem a sensação de serem provenientes de alguma grande máquina. Testemunhas afirmam que o som é tão alto que inclusive as janelas passam a vibrar com a frequência das ondas sonoras.

Grandes indústrias e trânsito? Experimentos militares como o famoso HAARP? Prenúncios de 2012 ou de uma grande invasão alienígena? Um viral para o filme “Cloverfield 2” ou simplesmente uma grande farsa? Muito está sendo discutido a respeito, mas ninguém chegou a uma conclusão definitiva ainda.

Caso queira saber mais, a página StrangeSoundinTheSky.com traz uma grande coletânea de tudo o que já foi encontrado a respeito do estranho fenômeno.
00:11 E aqui uma coletânea de mais de uma hoa com dezenas de sons ao redor do mundo..
http://youtu.be/w4EoqJFqpbU

Tenso.
..

1.11.2012

Por que morremos?

Se a vida é tão perfeita cuja complexidade e perfeição assombra os cientistas e chega a ser confundida como um milagre por religiosos... porque após determinada idade... tudo que é vivo MERECE um fim?

Alguns podem dizer quer na verdade a entidade chamada VIDA não é nem um pouco sentimental e mata o indivíduo mas perpetua a espécie usando o bom e velho sistema de reprodução...

O argumento acima parece resolver a questão mas... por que afinal a VIDA se programa para matar aqueles capazes de gerarem... outros? Voce destruiria um carro porque comprou outro? Se ninguem quer morrer... porque após MILENIOS de evolução a morte ainda é um requisito da vida? Sombrancelhas e sílius ai estão para proteger os olhos.. mas quando o cérebro repudia a morte com todas as suas forças... ainda assim a vovó-evolução nada faz quanto a este assunto? Será que a vida julga faltar espaço no mundo ou no universo e sendo assim se programa para substituir os indivíduos ao invés de simplesmente somá-los?

Alguns dizem que o envelhecimento começa no ato da concepção. Quando nem feto ainda podemos ser chamados. Errado. O envelhecimento começa no dia em que voce perde uma célula de forma natural e nenhuma a substitui. E isso começa a ocorrer (se não me engano) após os 35 ou 40 anos de idade. Nesse tempo todo a entidade VIDA lutou pela nossa vida de forma individual e incondicional. De repente... sem aviso... ela desiste de nós... (individualmente falando).

Como já provado é o ato de respirar o gatilho mecânico que da origem ao envelhecimento... Sendo assim... como nós que estamos constantemente evoluindo NUNCA fizemos nada para resolver isso? Ou melhor... como a VIDA tão complexa, perfeita e milagrosa NUNCA moveu uma palha para por fim a isto? Que evolução míope é esta que não sacou que respirar ..por fim.. nos mata? A entidade VIDA criou couraça para as tartarugas, deu asas aos pássaros, espinhos aos peixes... mas não mudou nem um pouquinho o código genético que implica na derradeira morte por tempo.

E pergunto: PORQUE ??

van der Sloot

No verão de 2008, Peter R. de Vries, repórter policial em contato com Patrick van der Eem, um empresário nascido em Curaçao, no leste do país. Ele é Joran recentemente entrou acidentalmente esbarrou em um cassino. Os dois entram em conversa e parece-clique. Mais reuniões se seguirão e logo Patrick observou que Joran corretamente olhar para ele e nele se tornando um confidente começa a ver. Não menos importante, porque Patrick totalmente finge não está interessado no caso Holloway.

Patrick: "maior amigo" Joran

Joran já foi devolvido para a Holanda, em 2006, cercado por amigos curiosos e pessoas que o chamavam de várias maneiras sobre o desaparecimento de Natalee tentando ouvir. Patrick agora está finalmente alguém que não. Assim parece. Patrick observou que blowt Joran muitos e, portanto, ocorre como um agricultor da Cannabis experiente, seu status com Joran apenas maiores.
Mas Patrick é realmente interessados ​​no caso eo envolvimento Joran suspeito no desaparecimento de Natalee Holloway. Ele faz muitas alusões ao do agora estudante de 20 anos de Arnhem para ele faz. Patrick wimpelt cada vez mais abordado com essa história, e nosso programa. Juntamente com Peter R. de Vries é uma estratégia para Joran em frente à câmera escondida, ou falar livremente sobre o caso.
Imediatamente parece que Joran na verdade seu melhor amigo Patrick vai ver, o testemunho de mensagens de texto muito lisonjeiro e algumas chamadas de telefone Patrick mostra que a nossa presença será conduzida. Nosso plano é o uso de um carro com câmeras escondidas preparado. Joran para um ambiente descontraído para falar com Patrick como ele - como tantas vezes - um pouco de dirigir por aí. A segunda metade de novembro, todos em construção e terá uma impressionante Range Rover Patrick Joran para pegar um pouco para ir de cruzeiro e, claro, falar.

Prisão gera uma chave de fendas na

Mas então, o dia antes que iria começar, joga uma chave no Judiciário. Em 21 de novembro de 2007 Joran é preso e levado de avião para Aruba. Há alguns fatos novos na evidência de pesquisa, mas mantém sua Joran lábios apertados. Em 7 de dezembro, ele é novamente um homem livre e oficialmente acusado off. A partir de Aruba é um dos primeiros convites que ele calculou o nosso undercoverman Patrick. Quem toma a chamada.
Joran se gabar sobre como ele enganou a polícia e que ele virá rapidamente para a Holanda. Em 9 de janeiro, ele desembarcou em Schiphol e um dia depois, ele conheceu Patrick, que irá mostrar seu novo Range Rover, o carro com três câmeras escondidas e transmissores.

O incidente de vinho

Em 10 de janeiro de 2008, finalmente lançou a nossa acção. Vantagem da recente prisão é que Patrick é agora o assunto de uma forma natural o negócio pode trazer. Durante esta primeira etapa é diretamente evidente que Joran tem problemas enormes de justiça e os poderes judiciais em Aruba. Ele também mostra todos os lugares querem apresentar um pedido para, e diz que no dia seguinte ele foi convidado para o programa de Pauw & Witteman. Na transmissão também é Peter R. de Vries na mesa. Depois de Joran lança um copo de vinho tinto no rosto de Peters.
Dois dias depois do incidente do famoso vinho do mundo "'get Joran volta para Patrick no Range Rover. Nossas câmeras registro agora que Joran primeiro conversações substantivas sobre o caso. Ele confirmou que Natalee está morto e nunca será encontrado, porque "o oceano é grande", e ele nunca pegou isso pode ser porque ele é "sorte" teve.
Além disso, ele diz que ajuda ter sido posto fora na noite do corpo de Natalee. Quem é ou quem são eles (palestras Joran notavelmente frequentemente no plural) não vai perdê-lo. Seguiu-se um total de quatro corridas longas com nossas câmeras juntos quase 15 horas de gravação de conversas.
 http://www.peterrdevries.nl/dossiers/natalee-holloway/
 

Surto de Zumbis

razões Para que Um Surto de Zumbis Falhe






Vamos fingir por um momento que os zumbis são reais (como se metade de vocês já não estavam sonhando com essa possibilidade). Você já reparou como a maioria dos filmes de zumbi já acontece com o apocalipse zumbi em curso integral? No momento em que existem apenas um punhado de sobreviventes, que os militares e o governo já estão eliminados, e que nenhuma das ruas é segura.

Há uma razão para o filme já começar daí, e não antes. É porque a primeira parte, onde partimos de um zumbi para milhões de zumbis, não faz qualquer sentido. A lógica nos faz dar uma rasteira na festa zumbi, você percebe que os zumbis seriam todos re-mortos muito antes que você tenha uma chance de meter fogo neles, ou usar a moto serra que você usa no trabalho. Por quê?

7. Eles tem muitos predadores naturais


Você sabe por que nós, como seres humanos, estamos no topo da cadeia alimentar atual? Não é porque somos difícil de matar (bem, com exceção de Steven Seagal). Nós não somos, somos um pouco mais do que sacos de carne saborosa à espera de um chifre errante ou uma garra para derramar nossas entranhas como uma pinata de carne. Não, nós estamos no topo simplesmente porque somos absurdamente bons em matar coisas. Um bom ataque, como dizem, é a melhor defesa.OLHE LÁ, É UM PATO! MATE-O!





Simplesmente somos muito inteligentes e muito bem armados para qualquer animal selvagem nos caçar. Agora considere os pobres zumbis. Falta-lhes todas as vantagens que tem mantido a humanidade longe de ser comido e levado à extinção. Eles vagueiam no aberto, eles não podem usar armas, não podem pensar ou usar a estratégia. Não tem sequer o senso de auto-preservação para se esconder quando estão em perigo. É presa fácil para qualquer animal que os quizerem.

Agora você pode estar dizendo: “Claro, mas minha cidade não está cheia de ursos que podem vir comer todos os zumbis”, você precisa pensar pequeno. Os insetos são uma grande dor de cabeça para seres humanos vivos e, em alguns casos, sermos capazes de golpear moscas longe e ter um sistema imunológico é a única coisa que mantem nossos olhos e línguas sem ser comido pelos vermes. Zumbis em qualquer parte do mundo terão problemas com insetos voadores e estarão repletos de vermes em pouco tempo, o que significa que a maioria de seus tecidos moles estará infestada, e seus olhos serão rapidamente inúteis.
 


Vamos ampliar um pouco: só nos Estados Unidos, nós temos ursos, lobos, coiotes e pumas, que podem colocar rapidamente os seres humanos em seu cardápio, se as condições forem adequadas. Para a maioria dos predadores, as “condições adequadas” é quando o animal está fraco ou enfermo, ou geralmente, incapaz de se defender, como um cadáver ambulante. Droga, basta pensar nos milhões de cães abandonados por aí que vão aprender rapidamente que os zumbis são uma refeição fácil.

Agora imagine hordas de zumbis vagando na África. Entre leões e búfalos (e hipopótamos e rinocerontes e elefantes), nós finalmente temos uma doença que a África é mais adequado para se defender do que no resto do mundo.

# 6. Eles não podem se esconder do calor

É geralmente aceito pelos peritos que os zumbis vão continuar a apodrecer, mesmo eles perambulando pelas ruas. O que os filmes não conseguem transmitir, no entanto, é o horrível mas estranhamente hilariante efeito do sol quente em um cadáver em decomposição.

A primeira preocupação é a putrefação. Graças à grande quantidade de bactérias que usamos em nosso colo para digerir a matéria vegetal, chamada flora intestinal, nossos corpos estão maduros para a deterioração de dentro para fora. Uma vez que o calor acelera o crescimento de bactérias (que serão muito felizes em se deleitar em você, uma vez que seu sistema imunológico já não é uma preocupação) o zumbi tem uma data de validade.
 

Cadáveres incham por causa dos gases criados pelas bactérias, o que significa que nas áreas mais quentes, mesmo zumbis fisiculturistas vão começar a engordar em poucos dias. Depois de algumas semanas disso, o exército zumbi inchado vai começar simultaneamente a fazer algo que é mais impressionante e perturbador do que qualquer outra coisa que um zumbi possa fazer: eles vão começar a explodir (CUIDADO! Fotos!). O calor e a umidade das regiões subtropicais e tropicais do mundo (ou no verão das regiões temperadas) irão acelerar estas condições, ou seja, um surto de zumbis em julho, em praticamente qualquer lugar, duraria poucas semanas, apenas por força dos monstros furiosos estourando como balões de carne podre.



No outro extremo temos o calor seco. Se você está em Phoenix ou no Sahara, os zumbis podem começar a mumificar sob o sol escald
ante e o calor. Embora os sintomas de desidratação normal não sejam uma preocupação para um zumbi, há o problema do ressecamento. Sem meios razoáveis de reposição da água em suas células, zumbis andando no calor do Texas durante todo o dia vão sofrer danos celulares, devido à exposição direta do sol a sua pele e graças ao vento, eles terão um efeito de ressecamento, os mortos do sudoeste vão começar a ficar mais e mais ineficientes, até que, em algum momento, eles simplesmente vão ficar no chão esperando os catadores virem buscá-los.

Então seria melhor esperar que a manifestação acontece-se durante o inverno, certo? Bem …
 
  Eles não podem se tratar do resfriado


Zumbis são carne morta. Não há argumentos, é sua característica definidora. Mas todo mundo se concentra nessa parte “morta” como se fosse um negócio tão grande. Esquecem frequentemente sobre a parte da “carne”. Você sabe o que mais é carne morta? Bife, hambúrguer, possivelmente até a graxa vermelha dentro dos alimentos da Taco Bell.



Quando a carne esta viva, ela tem todos os tipos de sistemas de defesa para mantê-lo dessa maneira. Quando ela estiver morta, você tem que jogá-la fora em cerca de uma semana, mesmo se você selá-la em plástico e mantê-lo a uma temperatura cuidadosamente controlada. Agora, sua primeira impressão pode ser de que o frio é amigo da carne morta, afinal, o mais certo para vencer esse prazo de uma semana é o de congelar o bife, mantendo-o fresco por meses. Mas não se esqueça: o frio irregular ferra horrívelmente as coisas que viviam outrora. Se você mora suficientemente ao norte ou ao sul, o apocalipse zumbi provavelmente irá se resolver na primeira vez que eles tentarem sair. O primeiro mata-zumbis é o simples fato de que o corpo humano é basicamente água, e a água se congela. Quando a temperatura cai para congelamento (ou perto dele, com um forte vento frio), os zumbis vão se tornar significativamente mais rígidos.



Após exposição suficiente, um cadáver congelado não ira mais perseguir qualquer vítima. É seguro também supor que zumbis vagando em um paraíso de inverno não estarão envolvidos herméticamente em plástico, como fazemos com os alimentos, assim queimaduras de congelamento se tornam um problema. Sério mesmo. A mesma coisa que arruína o seu sorvete também arruína mortos vivos. O congelamento da carne durante a noite, combinado com o degelo parcial durante os dias mais quentes, então re-congelamento novamente, cria as condições perfeitas para o início da queimadura de congelamento (geada), o que resulta na desidratação das células já que a água evapora, mesmo quando congelada. Congelamento não queima apenas a carne, ele a destroi.

# 4. Morder é uma péssima maneira de propagar uma doença


Hey, lembra aquela vez que apareceu um cão com raiva, e então um dia mais tarde, todos os outros cães do continente estavam com raiva, exceto por um pequeno grupo de sobreviventes amontoados em um porão? Não? Isso nunca aconteceu?

Quase todos os filmes de zumbis concordam em uma coisa: eles reproduzem-se como uma doença, que se espalha através de uma mordida de animais infectados (por um vírus transmitido pela saliva zumbi ou contato com qualquer outro fluido corporal). Mas isso também significa que sua propagação devem ser sujeitas às mesmas regras de uma epidemia normal, e morder é uma forma de merda para obter uma epidemia em grande escala.

As doenças bem sucedidas conseguem de alguma forma inteligente e invisível a propagação de vítima a vítima. A gripe já matou dezenas de milhões, porque ele se espalha através do ar, a peste negra foi espalhada por pulgas, etc. Nenhum deles requer o contato direto de um infectado com um não infectado para espalhar a infecção. Claro, as doenças sexualmente transmissíveis como AIDS trabalham dessa maneira, mas ninguém vai tentar ter relações sexuais com um zumbi



Mas digamos que há um surto, como se um zumbi fosse capaz de morder 30 pessoas no meio de uma multidão em um concerto de Rock, antes que descobrissem que isso não era parte do show. Não é como se a humanidade ficasse absolutamente confusa sobre o que fazer quando uma infecção se manifesta. Nos Estados Unidos você tem o Center for Disease Control (CDC), que não tendem a brincar. Sério, isto está escrito nos cartões de visita deles.



Lembra do surto de SARS? Que se originou na China. O CDC e a Organização Mundial de Saúde restringiram as viagens internacionais até que se apurou que já havia se espalhado na América do Norte. Vôos foram cancelados, fronteiras foram fechadas, e apenas 43 pessoas em todo o continente morreram.



Sem o surgimento do zumbimismo, não há como sequer resolver o mistério sobre como ela é transmitida. Porém se um cara quiser de morde, ATIRE NA CABEÇA.

# 3. Eles não podem curar seus ferimentos

Uma das vantagem de ter um sistema nervoso central em pleno funcionamento é que ele faz um trabalho muito bom lhe avisando que você foi danificado. Ele faz isso por meio da dor. Pense em todos os cortes de papel, dedos do pé batidos e todos os arranhões que você tenha sofrido em sua vida. Agora imagine que nunca cicatrizaram, apenas ficou lá apodrecido enquanto você continuava a acumular cortes de papel, dedos do pé batidos e vários arranhões. Com muitos ferimentos o próximo passo é a amputação. Uma coisa que sabemos sobre zumbis de Romero e Fulci é que eles são muito desajeitados, andando em cima de sucatas, portas e lâminas do helicóptero, sem pensar duas vezes sobre que tipo de danos que estão sofrendo.



Enquanto completa insensibilidade à dor parece ser uma superpoder maravilhoso em teoria, na vida real, você acaba sendo mais como o Sr. Burns do que como o Wolverine. Insensibilidade congênita a dor é uma condição neurológica que algumas pessoas nascem com ela, ou seja, eles não sentem dor. Eles podem sentir tudo, mas a ausência de dor significa que elas acumulam prejuízos em seus corpos, mas não tem consciência disso. Mesmo podendo pedir ajuda, muitos ferimentos são graves o suficiente para causar mutilações.



Caindo de pontes e tropeçando em noites escuras, pisando em coisas cortantes, etc.. acabará por deixá-los cegos, desdentados e com todos os ossos do corpo quebrados.

# 2. A paisagem é cheia de obstáculos a prova de zumbis

A falta de coordenação dos zumbis, juntamente com a incapacidade de enxergar no escuro (não tivemos qualquer zumbi infravermelho ainda, mas merda! Isso dá ideia para um filme) vai significar muito castigo aos zumbis em qualquer área fora de um estacionamento. Este é um grupo que não sabe como encontrar estradas ou pontes. Vão apenas divagar sem rumo. Montanhas, grandes rios e cânions, serão rapidamente o último lar para pilhas de zumbis quebrados e fedorentos até onde os olhos alcançam. Mesmo zumbis com a clarividência de que não devem andar mais em penhascos ou nas corredeiras furiosas durante o dia, o anoitecer ainda resultaria em zumbis entrando em rios, caindo de penhascos e pontes, o que diminuiria muito o número de desmortos.



Mas mesmo em locais sem esses perigos, apartamentos, cidades pavimentadas, onde ao que parece as pessoas seriam extra-ferradas, a paisagem ainda trabalha em favor da vida. A história tem mostrado que na maioria das situações terríveis, as pessoas nem sempre agem como idiotas em pânico com em um filme de horror. Nas cidades, as pessoas provavelmente se reúniriam nos níveis superiores de arranha-céus, onde a invasão pode ser neutralizada com a colocação de simples barricadas. Além disso, as ruas iriam manter os mortos-vivos encurralados em linha reta, alvo fácil para franco-atiradores, ou até mesmo por funcionários de escritório, jogando material de escritório e moveis nos mortos vivos do topo dos andares.


# 1. Armas e as pessoas que os utilizam

Como dissemos no inicio, se o Homo sapiens é bom em uma coisa, isso é matando outras coisas. Nós somos tão bons nisso que nós fizemos diversas outras espécies deixarem de existir, sem sequer tentar. Adicione à mistura o grande número de caipiras armados e caçadores lá fora, e os zumbis nem sequer tem uma chance. Havia mais de 14 milhões de pessoas com licença de caça nos Estados Unidos em 2004. No mínimo, isso é como uma força armada do tamanho da grande área de Los Angeles.

Lembre-se, a razão para existir a licença de caça é limitar o número de animais que você tem permissão para matar, porque se você não fizer restrições, tudo na floresta seria morto. É seguro afirmar que quando o jogo muda de “três veados” para “todas as pessoas mortas apodrecendo a tentar comer-nos”, não haverá escassez de voluntários.

Além disso, se olharmos para os zumbis como uma espécie, eles são muito bem projetados para o fracasso. Sua principal forma de reprodução também é sua única fonte de alimento, e e sua presa são seus predadores (nós). Se eles querem comer ou reproduzir, eles têm que ir atrás de nós, e nosso intuito também é abate-los. É como ter que enfrentar um leão a cada vez que você quizer fazer sexo ou fazer um sanduíche. Na verdade, é pior do que isso: a maioria dos predadores do topo da cadeia alimentar são apenas armados com dentes e garras, os seres humanos têm rifles.

1.10.2012

Relógio do Juízo Final

O relógio do fim do mundo


Foto do relógio do fim do mundo. É um relógio que marca apenas das 9 as 12 horas. Os cientistas criaram seu método próprio para identificar as profecias. O Relógio do fim do mundo foi inaugurado em 1947 pelos estudiosos que participaram do ultra-secreto Projeto Manhattam. Este resultou na fabricação pelos EUA da primeira bomba atômica, durante a Segunda Guerra e está localizado na sede do Boletim na Universidade de Chicago.

O "relógio do juízo final" mede simbolicamente o risco de uma guerra nuclear. Quanto mais próximo das 00:00, maior será a possibilidade de uma guerra com proporções inimagináveis.

Na sua inauguração, o relógio marcava 11h53. Em 1953, quando os EUA fizeram o primeiro teste da bomba de hidrogênio e o relógio chegou a marcar 11h58. Após o fim da Guerra Fria, em 1991, os ponteiros recuaram para 11h45, dando ilusão de uma possível paz.

Desde 1998, o relógio estava em 23h51. Após o atentado de 11 de setembro de 2001 o relógio avançou 2 minutos com relação a 1998. Os ponteiros registraram 23h53, mostrando que o ataque às torres do World Trade Center podem ter sido o início de grandes mudanças.

Conforme pronunciamento de George Lopez, presidente da "Bulletin of the Atomic Scientists" "Apesar da promessa de campanha de repensar a política nuclear, a administração Bush não tem dado passos significativos para modificar as políticas de alvos nucleares ou reduzir as posições de alerta das forças nucleares".

Outro motivo da alteração seria o risco um atentado terrorista utilizando armas nucleares e de uma guerra entre a Índia e o Paquistão. Os dois paises possuem um arsenal nuclear de grande porte e os estudiosos temem uma guerra decorrente dos conflitos já existentes.

Temos que cuidar do nosso mundo. Temos que lutar pelo desarmamento nuclear. É como se estivéssemos sentados em uma mina terrestre, pronta para explodir. E as vítimas de toda essa ganância e irá política seremos nós, pessoas da paz.

texugo do mel


Os Texugos do Mundo: nove espécies, um nome
A designação “texugo” é usada para denominar uma variedade de predadores da Família Mustelidae, que habitam quatro continentes: Ásia, Europa, América e África. No mundo existem nove espécies diferentes de texugos (oito pertencem à sub-família Melinae, que são considerados os “verdadeiros” texugos, e uma à sub-família Mellivorinae). Apesar da sua aparência ser por vezes muito diferente, estes carnívoros apresentam similaridades estruturais, comportamentais e ecológicas. Os texugos são mamíferos de tamanho médio, com um corpo entroncado, uma cabeça pequena e um pescoço reduzido e espesso. A cauda é em geral curta e o focinho é alongado. Numerosas espécies cavam uma elaborada rede de tocas, utilizando as patas da frente, que possuem garras não retrácteis relativamente bem desenvolvidas. Estas tocas, além de lhes fornecerem segurança, protegem-nos do frio durante os Invernos longos, especialmente aos que habitam zonas mais setentrionais. A maior parte das espécies são nocturnas e a sua visão é portanto relativamente fraca, sendo os olhos reduzidos e pouco visíveis. Pelo contrário, o olfacto está bem desenvolvido. Tal como em todos os mustelídeos, as glândulas anais são bem desenvolvidas e produzem secreções de odor intenso, que servem como veículo de comunicação olfactiva.
Meles meles
O registo fóssil indicia que este grupo de mustelídeos evoluiu a partir de ancestrais semelhantes a martas e fuinhas (Gén. Martes), que no Terciário (há 65 – 2 milhões de anos) diferenciaram-se, apresentando uma evolução na dentição em direcção à omnivoria (importância crescente dos dentes tuberculados atrás das mandíbulas e redução dos dentes carniceiros cortantes). No começo do Pleistocénico (a partir de 1,8 milhões de anos) a Europa assistiu ao aparecimento de texugos semelhantes às espécies actuais, vindos da Ásia, havendo numerosos restos fósseis de animais deste período (e.g. Meles thorali).

O continente que apresenta uma maior variedade de espécies deste grupo é a Ásia, onde existem sete espécies: texugo porco Asiático ou de cerdas (Arctonyx collaris), texugo fedorento de Palawan e Calamian (Suillotaxus marchei), texugo Malaio ou texugo fedorento da Indonésia (Mydaus javensis), três espécies diferentes de texugos furões (Género Melogale) e o texugo Eurasiático (Meles meles). Geograficamente isolado deste grupo de texugos que, de alguma forma, apresentam distribuições sobrepostas, temos o texugo Americano (Taxidea taxus). Todos estes texugos pertencem à sub-família Melinae. Há que referir ainda a existência de uma outra espécie pertencente a uma sub-família diferente, mas cujas características comportamentais e ecológicas a aproximam dos texugos atrás descritos - o ratel ou texugo do mel (Mellivora capensis). Este aparenta estar mais próximo evolutivamente dos Mustelinae (martas, fuinhas, etc.) do que dos Mellinae (texugos), embora seja suficientemente diferente de ambos para ser in cluído numa outra sub-família - Mellivorinae. Apesar das afinidades filogenéticas serem menores, as admiráveis semelhanças estruturais, comportamentais e ecológicas devem-se a uma evolução paralela, resultado de um modelo de vida semelhante.
Mellivora capensis
O texugo porco Asiático ou de cerdas (Arctonyx collaris) é um predador de médio porte (com cerca de 70 cm de comprimento e até 14 kg de peso), com uma vasta distribuição no Sudeste Asiático, podendo ser encontrado em zonas florestais do Norte da China e da Indochina, até à Tailândia e à ilha de Samatra (Indonésia). É um habitante típico de florestas tropicais, onde se alimenta, passando os dias refugiado em tocas profundas. Devido aos seus hábitos tímidos e nocturnos e à inacessibilidade das áreas onde está presente, pouco se conhece da ecologia e comportamento desta espécie. No entanto, sabe-se que é um mustelídeo verdadeiramente omnívoro, comendo principalmente raízes, minhocas e frutos, que encontra graças ao seu focinho móvel, em forma de tromba, característico desta espécie. Estes animais são ainda hoje apanhados em armadilhas para aproveitamento da sua pele, utilizada para fazer pincéis (de pintar e de barba) e tapetes.

O texugo fedorento de Palawan ou Calamian (Suillotaxus marchei) apenas pode ser encontrado em duas pequenas ilhas do grupo Calamian (Indonésia), a Norte e Este de Bornéu: Palawan e Busuanga. Este carnívoro é considerado um pequeno desconhecido (com cerca de 46 cm de comprimento e 3 kg de peso), pois tirando algumas descrições relativas à sua capacidade de, quando atacado, expelir um líquido de odor desagradável em direcção ao atacante (daí o seu nome de fedorento), pouco se sabe acerca desta espécie.
Suillotaxus marchei
O texugo Malaio ou texugo fedorento da Indonésia (Mydaus javensis) é um pequeno/médio mustelídeo (até 51 cm de comprimento e até 3,6 kg de peso), cuja área de distribuição está restrita a algumas ilhas da Indonésia: Java, Sumatra, Bornéu e Natuna. Habita somente áreas de montanha, sendo maioritariamente nocturno. Os seus hábitos escavadores permitem-lhe fazer tocas pouco profundas e muito simples, onde repousa durante o dia. Apesar de, tal como as restantes espécies descritas, ser cientificamente quase desconhecido, suspeita-se que se alimente de invertebrados (minhocas e insectos). Este animal tem os dedos das patas anteriores unidos mesmo até à base das garras, o que faz com que ao caminhar sobre os dedos (digitígrados) se bamboleie de maneira característica. O texugo Malaio é reconhecido pelos habitantes das áreas onde existe, pois possui uma glândula anal, cuja secreção rivaliza, em termos da intensidade do odor, com a da doninha-fedorenta. Esta excreção, para além de ser pestilenta, ap arenta ser nociva para os animais que atacam o texugo, havendo registos de cães que morreram asfixiados devido à sua acção, ou ficaram cegos, quando atingidos nos olhos. Tal como as secreções anais das civetas, estas são usadas, bastante diluídas, na elaboração de perfumes. Este mustelídeo é igualmente alvo de perseguição e caça por parte das populações indígenas sendo, por vezes, consumido por estas.

Os texugos furões pertencem todos ao género Melogale e habitam as zonas tropicais do Sudeste Asiático. O texugo furão indiano (Melogale personata) habita a Índia, Nepal e Birmânia; o texugo furão da China (M. moschata) vive numa área que vai desde a China ao Vietname do Norte; e o texugo furão de Everetti (M. everetti) restringe-se ao Bornéu e Java. São as espécies mais pequenas (33-43 cm de comprimento e raramente ultrapassando os 2 kg de peso) e as únicas verdadeiramente trepadoras. Estas espécies são consideradas as mais primitivas de todos os texugos existentes, tendo uma dentição ainda semelhante aos seus ancestrais (martas e fuinhas). Habitam florestas tropicais e subtropicais, áreas de pradaria e culturas, podendo viver, sem serem detectados, junto ao Homem. São descritos como omnívoros, alimentando-se de insectos, vermes, pequenas aves, ratazanas juvenis e frutos. São animais nocturnos que descansam durante o dia em abrigos subterrâneos (naturais ou construídos) ou em cima das árvores, f acto facilitado pelas suas capacidades trepadoras. Como todos os texugos, descritos até ao momento, quando atacados expelem um odor pungente da sua glândula anal.
Taxidea taxus
O texugo Euroasiático (Meles meles) é a espécie com a área de distribuição mais vasta, ocupando regiões asiáticas tão distintas como a Rússia e a costa Este da China e estendendo-se, através da Europa, até às ilhas britânicas e à zona mediterrânica (incluindo Portugal). Habita, deste modo, uma grande diversidade de habitats, sendo a espécie de texugo mais estudada, facto bem patente na vasta bibliografia científica disponível, especialmente oriunda do Reino Unido (abrangendo áreas tão distintas como a ecologia, a etologia, a parasitologia, etc.). Este interesse pelo conhecimento dos aspectos da biologia e ecologia deste carnívoro deve-se, em parte, ao facto de texugo Eurasiático constituir, no Reino Unido, um “reservatório” importante para a tuberculose bovina. Este facto, aliado ao enorme peso que a pecuária bovina tem na economia britânica, ampliou o interesse nos estudos científicos visando esta espécie. É um carnívoro social de médio porte (até 90 cm de comprimento e 16,7 kg de peso), h ábitos nocturnos e comportamento omnívoro, com uma alimentação muito variada (consome minhocas em Inglaterra e Norte da Europa, frutos e insectos na Europa mediterrânica, etc.). De dia estes animais refugiam-se em tocas mais ou menos profundas, que chegam a ter 80 entradas e que compartilham com outros membros do grupo (constituído por 3-35 animais). Todas as outras espécies vivem em tocas relativamente simples, quando comparadas com os elaborados complexos de tocas, por vezes centenários, do texugo Euroasiático. Pelo que se sabe, e em oposição aos outros texugos aqui descritos, a sua glândula sub-anal não tem nenhuma função defensiva, servindo apenas para marcação do território e dos recursos, e como veículo de comunicação olfactiva.

O texugo Americano (Taxidea taxus) ocupa uma vasta área da América do Norte: desde o Sudoeste do Canadá até ao México central, e da costa da Califórnia até ao Missouri e Illinois. Tal como o texugo eurasiático, esta espécie está presente numa grande variedade de habitats sendo, no entanto, mais comum em pradarias e florestas de folha caduca. Nas zonas mais a Norte pode entrar em semi-dormência durante os Invernos mais rigorosos, estando activa todo o ano quando as temperaturas não baixam demasiado. Os indivíduos desta espécie são, em geral, de dimensões semelhantes aos texugos eurasiáticos (42 a 72 cm de comprimento e 3,5 a 12 kg de peso), e maioritariamente nocturnos, repousando de dia em tocas escavadas por si. Há relatos de tocas escavadas no asfalto e em ruas, o que mostra como são poderosas as suas garras; contudo as suas tocas não chegam à complexidade das do texugo Euroasiático. Esta espécie é predominantemente carnívora, consumindo preferencialmente ratos e, como complemento, alimentos v egetais e insectos. Estes animais podem formar grupos de caça com coiotes isolados, mas não se sabe grande coisa desta cooperação. Usam as suas glândulas anais como mecanismo de defesa, através da produção de um odor desagradável. São capturados em grande escala por causa da sua pele, sendo retiradas cerca de 50 000 peles todos os anos nos EUA e Canadá.
Taxidea taxus
O ratel ou texugo do mel (Mellivora capensis) distribui-se por quase toda a África sub-sahariana, estendendo a sua área de distribuição através da Península Arábica até à Índia. São do tamanho do texugo Eurasiático (cerca de 70 cm de comprimento e até 12 kg de peso), apresentando hábitos maioritariamente nocturnos (apesar de poderem ser vistos de dia fora das tocas). O ratel alimenta-se de escorpiões, insectos, frutos, ovos, répteis, porcos-espinhos, e roedores. Alguns machos especializam-se na captura de grandes mamíferos, tais como lebres, raposas e juvenis de antílopes. Podem ainda rasgar a casca das árvores para chegar aos ninhos de abelhas (daí ser, por vezes, denominado texugo do mel), e desenterrar todo o tipo de comida, incluindo cadáveres humanos. O ratel pode associar-se à ave melífera para se alimentar: a ave com o seu chamamento característico conduz o ratel até um cortiço de abelhas; o ratel, por sua vez, parte o cortiço e partilha a sua refeição. A secreção da sua glândula anal tem duas funções distintas: a de marcação do território e a de anestésico contra as abelhas.

Em suma, tal como se pode constatar pelas descrições das espécies de texugos existentes no mundo, este grupo está presente na maioria dos continentes, abrangendo uma diversificada associação de habitats. Este facto parece estar relacionado, por um lado, com a capacidade de escavar refúgios e, por outro, à grande adaptabilidade trófica destes predadores, que lhes confere a capacidade de se alimentarem dos recursos disponíveis no meio, em determinada altura. Estes animais são capturados, atropelados ou envenenados pelo Homem em todo o mundo, mas mesmo assim têm sobrevivido surpreendentemente bem.
Arctonyx collaris




Autores do artigo : Miguel Rosalino e Filipa Loureiro
http://www.naturlink.pt
Data: 27/03/06





Seguidores

Follow by Email