9.25.2009

REALMENTE “Existiu Outra Humanidade

REALMENTE “Existiu Outra Humanidade”

REALMENTE “Existiu Outra Humanidade”
Faz mais de 10.000 anos —afirma Much—, a Terra sofreu um dos mais espantosos bombardeios cósmicos de sua história.
—Segundo as lendas, a queda de um grande meteorito —tal e como fazia referência no terceiro capítulo— provocou a desolação e a morte ao longo e largo do planeta. O impacto do asteróide foi tão violento, tão dilacerador, que aquela alucinante destruição ficou como prisioneira no espírito e na memória coletiva dos escassos povos que sobreviveram. E se transmitiu com força de umas raças a outras, a pesar do impressionante lapso de tempo transcorrido.
Essa catástrofe, como digo, segue em pé hoje no fundo dos livros chamados sagrados ou Santos. No fundo dos livros das culturas do mundo e no fundo do corpo redondo e azul da própria vítima: a Terra. Esta civilização perdida no tempo tinha vencido a força da gravidade, voava ao espaço, conhecia os mais profundos segredos da Astronomia, etc. E sabia também que o planeta dispunha a seu ao redor de um cinturão eletromagnético, que hoje nós acabamos quase de descobrir e batizar com o nome de Vão Allen. Esse cinturão podia ser utilizado para uso industrial e tecnológico e a Humanidade gliptolítica o fez. Mas, como?
Nas pedras —em muitas delas— há pirâmides. Pirâmides que se levantavam na zona do Equador terrestre. Um Equador que não coincidia de tudo com o atual. por que estavam ali essas pirâmides? As pedras o detalham.
A civilização pré-histórica que gravou estas pedras construiu sortes pirâmides para captar e transformar essa energia eletromagnética que rodeava a TerraSe a Atlântida foi literalmente engolida —afirma Kolosimo— pelo abismo aberto entre a América e Europa, Mu pôde ser desintegrado facilmente pela erupção de todos os vulcões que albergava e que a tradição estima muito numerosos (a região do Pacífico conta ainda hoje com 336 em atividade entre os 430 do mundo inteiro).
As crateras de todo o planeta deveram ter vomitado o inferno a conseqüência do gigantesco maremoto originado pela queda do corpo celeste. Depois, as cinzas eruptivas se foram amassando até envolver o globo em uma entupida capa de nuvens, tampando o Sol e dando lugar a furiosas chuvas. calcula-se que tão somente na Europa e Ásia setentrional caíram em seis dias mais de vinte mil trilhões de toneladas de água e três bilhões de toneladas de cinzas. O nível meio das precipitações foi, pois, de 30 metros...
quis me estender no relato do Much porque, embora suas teorias sobre o formidável cataclismo que sofreu a Terra são compartilhadas por numerosos autores, em sua hipótese falta algo essencial. Algo que, logicamente, o cientista austríaco não pôde conhecer naquele momento: algo que está na biblioteca de pedra encontrada no Peru.
Nas pedras da Ica —tal e como assinalava ao princípio desta obra— se manifestou a proximidade de um apocalíptico cataclismo. Uma destruição que pôde ser muito similar à descrita pelo Much, mas que —segundo se manifesta na biblioteca lítica— teve uma origem e um tempo diferentes. Hei aqui a explicação que sobre dita destruição me proporcionou Javier Cabrera Darquea frente a várias centenas de pedras relacionadas com este cataclismo: AS PROVAS
Estas estruturas submersas gigantescas, quase desconhecidas ou pouco difundidadas no ocidente deixam margem a muitas e intrigantes indagações...
O que podemos supor ou deduzir sobre elas?
Um link para aclarear as idéias...
http://www.acemprol.com/viewtopic.php?f=16&t=143
vejam os videos
http://www.youtube.com/watch?v=CPCq3yo4SLc&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=3_gAV8CskA4&feature=related_1

http://www.youtube.com/watch?v=3_Zt9moZwjM&feature=related_2

http://www.youtube.com/watch?v=vk1sI0lCZOE&feature=related_3.

Seguidores

Follow by Email